sábado, 28 de janeiro de 2017

Não jogue a Moeda! BOVA11

Swing Trading
Anteriormente discutimos o que são ETF´s e o principal deles no Brasil, BOVA11 (relembre o artigo). É muito comum ouvirmos que dependendo da estratégia utilizada seria melhor jogar uma moeda e tomar a decisão de compra e venda. Será que isso realmente é verdade ou apenas conversa fiada de quem só quer “causar”?

Para responder essa questão foi feito um teste simples a partir de BOVA11 e do uso da função aleatório do Excel que gera um número entre 0 e 1. A ideia é entrar no leilão de abertura do dia e sair no seu leilão de fechamento (daytrade) com a seguinte regra:
  • Rand > 0,5: long position (posição comprada);
  • Rand <=0,5: short position (posição vendida).

O período testado é de 4 de janeiro de 2016 a 29 de dezembro de 2016 e serão realizados 1000 testes aleatórios para termos uma robustez estatística (reveja o conceito de teste de Monte Carlo). Abaixo temos um exemplo da planilha pregão a pregão ao longo de 2016.


O gráfico a seguir ilustra a distribuição de retornos diários para um único teste.


A ideia de realizar 1000 testes aleatórios e independentes é obter estatísticas das situações possíveis e avaliar se na maioria dos casos haverá lucro ou prejuízo. No nosso exemplo os resultados apresentados são dos retornos acumulados em 2016 com a estratégia de abrir posição na abertura e encerrá-la no fechamento do dia.


Além de uma média baixa, 2,48%, é importante destacar a mediana onde vemos que 50% dos testes registraram retornos negativos. Uma radiografia dessa distribuição pode ser feita mediante o gráfico de percentis.

É possível observar no gráfico acima que somente 20% das vezes a rentabilidade foi maior que 21,7%. No mesmo período BOVA11 saiu de R$ 41,00 para R$ 58,24, alta de 42%. Na simulação, altas superiores a essa só aconteceram em 6,7% dos casos. Vale destacar que os custos não foram computados, o que faria o resultado ser pior ainda.

Ou seja, procure ou desenvolva uma estratégia mais consistente do que o simples lançamento de uma moeda, não conte com a sorte. Acompanhem os próximos artigos!

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Seguidores de Tendência


Trend following (seguidor de tendência) é a principal estratégia dos CTA´s (Certification in Technical Analysis) que gerem mais de 300 bilhões de dólares. O índice Barclay BTOP50 procura reproduzir a composição global dessa indústria e emprega uma abordagem top-down na seleção de seus componentes a partir da medição dos ativos sob gestão. Em cada ano civil, os trading advisors selecionados representam, no total, pelo menos 50% dos ativos investidos do Universo Barclay CTA.

Em 2016 20 fundos CTAs fizeram parte do Barclay BTOP50 e de acordo com BarclayHedge, o desempenho estimado foi de -4,03%. Vale destacar que a maioria desses 20 CTAs usa sistematicamente a filosofia de seguidor de tendência. Abaixo temos um gráfico do desempenho desse índice desde 1987:


Nos últimos 13 anos os maiores gestores CTAs não conseguiram gerar retornos significativos. Na verdade o retorno anualizado foi inferior a 2,5% nesse período enquanto o S&P 500 apresentou um retorno de 9%. É importante destacar que o Barclay BTOP50 não se aplica a qualquer CTA particular ou indivíduo que faça a gestão de futuros, mas a média da indústria de gestores técnicos. Afinal, o desempenho individual de um trader pode divergir significativamente das médias devido a sua habilidade ou pura sorte.

Ao aplicar o teste estatístico não paramétrico de Wald-Wolfowitz sobre a série desde 1987, o p-value foi de 0,25, ou seja, a hipótese de aleatoriedade não pode ser rejeitada.

2016 Barclay BTOP50 Componentes

  • AlphaSimplex Group, LLC (Composto de Futuros Gerenciados)
  • AQR Capital Mgmt. (AQR Managed Futures MV Strategy)
  • Aspect Capital Limited (Fundo Diversificado (USD)
  • Campbell & Co., Inc. (Campbell Managed Futures)
  • Cantab Capital Partners (Fundo do CCP Quant - Aristarchus)
  • Catalyst Capital Advisors, LLC (Catalyst Hedged Futures Strategy (I))
  • Doherty Advisors (Relative Value Growth) 
  • FDO Partners, LLC (Global Quantitative Currency)
  • Primeiro Quadrante LP (Alocação de Moeda Tática L / S USD)
  • Graham Capital Mgmt., LP (K4D-15V)
  • H2O AM LLP (Força 10 USD) 
  • Lynx Asset Management (Lynx (Bermuda) Ltd.)
  • Man Investments Ltd (AHL Diversified plc)
  • Niederhoffer, RG Capital Management (Diversified)
  • PIMCO LLC (Fundo de Estratégia de Futuros Gerenciados das Tendências)
  • QMS Capital Management LP (Macro Global Diversificado)
  • Systematica Investments (Blue Trend Fund)
  • Transtrend, BV (DTP / Risco Avançado - USD)
  • Trigon Investment Advisors (Macro Discrecional)
  • Winton Capital Management, Ltd. (Fundo de Futuros)

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

BOVA11 com Hedge

Swing Trading
Quando há 1 expectativa de possível queda no mercado acionário o investidor pode tomar uma de duas decisões. A primeira é intuitiva, basta zerar suas posições e ficar líquido. Já a segunda mantêm  a carteira e mediante a venda de contratos futuros de IBOVESPA é possível protegê-la, chamamos isso de Hedge.

Para a segunda opção o investidor terá que obter o BETA em relação ao IBOVESPA de cada papel que possuir, em seguida calcular o BETA ponderado da carteira e finalmente determinar a quantidade de contratos futuros que serão vendidos. Porém, ao invés disso, o investidor poderá trabalhar exclusivamente com o BOVA11 discutido no artigo anterior. Há algumas vantagens para esse tipo de estratégia, uma delas é que esse ETF segue de perto os movimentos do IBOVESPA e seu BETA é aproximadamente igual a 1 e, com isso, dificilmente serão necessárias recalibrações ao longo do tempo como ocorre com o hedge de ações. Isso resulta tanto na redução dos custos quanto na complexidade de recálculos.

Ao comprar uma determinada ação ou um ETF a perspectiva futura é de alta, porém no meio do caminho pode ocorrer alguns momentos menos favoráveis e o recurso de proteger a posição durante esse período pode reduzir muitas noites mal dormidas. 

A grande questão é o que usar para sinalizar os momentos mais propícios para montar e desmontar a proteção do ETF. No caso, a posição no BOVA11 é estática e o que se realiza ao longo do tempo são entradas e saídas do contrato futuro de IBOVESPA vigente naquele determinado período (lembrem-se que o WIN, mini índice, vence nos meses pares do ano).

Apenas para ilustrar vamos montar um sistema simples baseado no indicador Riva-Keltner (confira o Webinar gratuito para mais detalhes sobre o RK), onde os sinais de alta indicam a saída do Hedge (recompra do contrato futuro) e os sinais de baixa o início da proteção da posição em BOVA11. Apenas para o leitor entender melhor o funcionamento da estratégia, tomemos um momento específico. 
diário de BOVA11 - Dez15 - Ago16

Suponha que em 24 de Novembro de 2015 o nosso investidor virtual resolveu adquirir 2.000 contratos de BOVA11 ao preço de R$ 46,48 (investimento de R$ 92.360,00 + custos). Porém em 01 de Dezembro de 2015 com o papel valendo R$ 44,00 (queda de 4,72%) o nosso amigo tenha decidido montar o Hedge a partir da venda de 10 contratos de WINZ15 (venc. 16/dez/15) ao preço de 45.500 pts. Em 16/dez/15 houve a rolagem do WINZ15 (44.600 pts) para o WING16 (45.400 pts) na mesma quantidade anterior (10 contratos). Finalmente em 22 de janeiro de 2016 BOVA11 foi cotado à R$37,20 (queda de 15,45%) e o WING16 à 38.500 pts, queda acumulada de 6.900 pts (15,2%). 

Resumo da ópera, pela tabela a seguir podemos verificar que o ETF acumulou uma perda contábil que foi compensada pelos ganhos financeiros da venda dos mini contratos futuros de IBOVESPA. Isso significa que enquanto o mercado brasileiro teria que se recuperar de uma queda de mais de 15%, a posição do investidor do nosso exemplo estaria praticamente intacta.


Participe do grupo do Facebook: Dólar, Índice e Pair Trading.